quarta-feira, 28 de junho de 2017

CARIDADE COM VERGONHA

CARIDADE COM VERGONHA
Merlânio Maia

Brasil Coração do Mundo
Que fizeste dos teus filhos
Desses mais empobrecidos
Cujo viver é sem brilhos?
Estes filhos do calvário
Mendicantes no cenário
Gritam calados de dor
Que a fome em prenhez carregam
E o evangelho que pregam
É que aqui não há o amor!

Almas tristes em desfile
Qual espectros de horror
Vivendo da caridade
Da mendicância e favor
Homens, mulheres, crianças
E velhos sem esperanças
De envergonhar o cristão
Que tem o Mestre por guia
Que um mandamento trazia
De que amássemos o irmão

Devíamos ter vergonha
De ver nos guetos da rua
O desfilar dessa fome
Numa visão triste e crua
Saber que outras nações
Baniram dos seus porões
Este mal tão triste e velho
Com políticas decentes
E nós cristãos bons e crentes
Esquecemos dessas gentes
Bem na Pátria do Evangelho!
Será Pátria do Evangelho?
Merlanio Maia

Indignado em ver que ainda convivemos com a fome do semelhante no século 21 do terceiro milênio, sem que haja política de estado para banir este mal terrível!

AUMENTA O SOM QUE É FORRÓ de Merlanio Maia


Linda apresentação do IMBALANÇA
AUMENTA O SOM QUE É FORRÓ
(Merlânio Maia)

Som criado ao pé da serra
Na sanfona de Gonzaga
Jackson pandeirou a saga
Sivuca o tornou maior
Antonio Barros fez festa
Marinês pos voz precisa
Dominguinhos o urbaniza
E assim nasceu o Forró

Aumenta o som que é forró
Aumenta o som que é forró
Canto da alma nordestina
Poema em tom maior
Aumenta o som que é forró
Aumenta o som que é forró
E o Nordeste se ilumina
Aos encantos do Forró

Depois veio Anastácia
E o Trio Nordestino
Três do Nordeste fez hino
Assisão levantou pó
Genival Lacerda encanta
E João do Vale completa
E haja a nascer poeta
Pra eternizar o Forró

A sanfona resfulenga
O zabumba cadencia
O triângulo faz a guia
Essa é a orquestra maior
E o cantador canta a vida,
Canta a seca e a invernia,
Canta o amor, canta a alegria,
Vem dançar que isto é Forró!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

O AMOR E A LIBERDADE

O amor necessita liberdade
Não se pode prendê-lo que ele morre
Ele dá-se ao parceiro que o socorre
Que o mantém no afeto e na verdade
É o amor que produz felicidade
Quem já ama aprendeu plenificar
Não exige o que o outro possa dar
Vive amando de forma incontida
Quem em si traz o amor, hausto da vida
Brilha a luz conjugando o verbo Amar!
Merlanio Maia

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

A CONFISSÃO DOS VELHINHOS

Da série: Causos poéticos.

Sessenta anos de casado
O velhim diz a velhinha
Veínha hoje eu confesso
Já te traí com a vizinha?
Seu corpim todo foi meu
Tu inda perdoa eu?
- Te perdoo tudo enfim
Também pequei, companheiro!
Lembra o Corpo de Bombeiro?
Foi meu o corpim todim!
(Merlânio Maia)

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

MÃE FEZ SEUS NOVENTA E CINCO



Mãe fez seus noventa e cinco
Isso é quase um centenário
Com cinco filhos nas costas
Seu amor foi libertário
Venceu secas no Sertão
Venceu o tempo e a paixão
Venceu dois séculos serena
Alegre e cheia de vida
Com a ternura incontida
Nos diz: Viver vale a pena!

Com seu olhar centenário
Dona Helena é maior
E diz todo amanhecer
"Amanhã vai ser melhor!"
E a cada dia melhora
O seu tempo é sempre agora
Ao respeito dá valor
Tem a alma da natureza
Em tudo mãe vê beleza
Seu sentimento é o Amor!

Homenagem aos 95 anos de minha mãe!



Homenagem aos 95 anos de minha mãe!

Mãe que a viva concebeu
Me trouxe pra mais crescer
E um novo corpo me deu
Para iluminar meu ser
Já fomos dois corações
Num corpo só de emoções
Compondo o ritmo sem par
Mãe sinfonia divina
Mãe é a luz que me ilumina
E me impulsiona a amar

Mãe que nos empresta o corpo
Mãe que nos sofre a influência
Mãe que passa o desconforto
Mãe que dá-nos a existência
Mãe que ensina-nos a andar
Mãe que ajuda-nos falar
Mãe defensora dos seus
Mãe médica e professora
Mãe a eterna benfeitora
Pois toda mãe vem de Deus

Mãe que tem linha direta
com o Criador do mundo
Mãe da existência completa
Mãe sentimento fecundo
Mãe que nos tem por crianças
Mãe que nos dá esperanças
Mãe que ama e satisfaz
Ah!mãe, me guarda no Bem
Estando aqui ou no Além
Mãe é sinônimo de Paz

Feliz do filho que zela
A mãe por todos os dias
Mãe pra se amar e se honrar
Mãe é fonte de alegrias
O filho deve ser grato
À mãe, divino aparato
Minha mãe, santo esplendor
E hoje a minha gratidão
Pra mãe, lindo coração
Que Deus recheou de Amor



Viva Dona Helena com seus quase cem anos de amor imenso!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

SONETO SOU O QUE SONHA

SOU O QUE SONHA
Merlânio Maia

Não! Não caminho por caminhos feitos
Estradas cheias de luz colorida
Deixo tais brilhos e sigo a subida
Busco outras luzes tenho outros conceitos

Dá desencanto ver esses eleitos
E os vencedores da vida iludida
Os seus ruídos me cansam a vida
Sigo a mim mesmo, meus versos, trejeitos...

Canto o meu canto nascido do povo
Sangro com ele e renasço de novo
Vejo outras luzes sou visionário

Não! Eu não sigo veredas forjadas
Cavo nascentes e invento as estradas
Sou o que sonha o sonho libertário!

MENSAGEM DE ANDALUZ

Há poucos dias, estivemos num trabalho espiritual, esclarecendo espíritos infelizes, que no seu desespero e arrogância, afirmavam-se poderosos e revelavam que tinham se organizado mundialmente, para impossibilitar o progresso da Terra. Diziam que seus companheiros em países estrangeiros, se associaram para criar o caos mundial, a grande guerra expandindo a dor e a miséria em escalada mundial.

Buscaram os encarnados ávidos pelo poder para aumentar-lhes a ganância, o desejo de mais poder e a legalização do crime numa produção nunca vista, a fim impedir o progresso da humanidade e a destituição do governo do amor universal.

Ainda afirmaram que uma das suas ações era desmoralizar o Brasil como Coração do Mundo e Pátria do Evangelho. Montando ações de crime e corrupção, aproveitando a fraqueza e a pusilanimidade dos representantes dos poderes constituídos, criando assim, um estado de crime legalizado.

Apenas esqueciam de que, quem está governando o planeta é Jesus, o Cristo de Deus e que também os ama infinitamente e vai tocando os seus corações ainda enrijecidos, de forma definitiva.

Era momentos de sofrimento, pois muitos, naquele momento, estavam recebendo a notícia que iriam ser transferidos para outros planetas de acordo com sua maturidade moral, sem que tivessem como evitar.

Ao final, Dr. Bezerra de Menezes falou-lhes do amor infinito do Cristo, tocando muitos que choravam aflitos amedrontados com o que haveria de vir. Mas o mentor prometeu-lhes socorro, no novo mundo que habitariam e que seres amados iriam com eles e estariam a ampará-los, já que Deus de ninguém se esquece e está presente em todos os lugares. E que eles iriam em espiação buscando experiências iluminadoras, mas também conduziam em si a missão de fazer aquele mundo progredir com a sua inteligência desenvolvida e com os novos conceitos tecnológicos, frutos do aprendizado na Terra..

O querido irmão Bezerra ainda afirmou que há uma Organização mundial, sob a direção daquele que na Terra foi Francisco de Assis, atendendo pedido do Mestre Amado, orientando e socorrendo esses espíritos infelizes e revoltados, em outros países, para conduzi-los ao novo mundo que os espera.

Foi muito emocionante!

Foi também muito esclarecedor, ver o Benfeitor mostrar, que este planeta está sob a égide do Cristo; é um projeto divino que não tem como dar errado tendo Jesus como condutor experiente que nos conduz à perfeição e a regeneração pelo Amor incondicional e absoluto de que é portador.
(ANDALUZ - 14/Dez/2016 - Mensagem inspirada à Merlânio Maia)

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

POR ISSO EU SOU CANTADOR

POR ISSO EU SOU CANTADOR
Merlanio Maia

Eu sou do pó das estrelas
Como o é minha irmã terra
Sou a mistura das eras
Sou da idade da serra
Esse Sol que hoje me beija
Conhece bem a peleja
De quem aprendeu o amor
Eu sou perfume que o vento
Carrega em si como alento
Por isso eu sou Cantador

Sou força das cataratas
Sou o estrondo do trovão
Sou a descarga do raio
Que ilumina o céu e o chão
Sou o rio incandescente
Do vulcão que ao continente
Remodela em seu calor
Sou rigor e sou beleza
Sou força da natureza
Por isso eu sou Cantador

Sou a chuva salvadora
Que derrama devagar
Sou a terra intumescida
Que faz a vida brotar
Sou húmus, sou biosfera
Que explode na primavera
Irrompendo em vida e cor
Sou cada fruta madura
Que faz completa a natura
Por isso eu sou cantador

Sou o colorido da vida
Sou vontade de viver
Sou a ternura da mãe
Olhando o filho ao nascer
Sou o perfume que a rosa
Espalhou deliciosa
Para exibir seu frescor
Sou o orvalho no sertão
Sou da fauna e flora irmão
Por isso eu sou Cantador

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

DEUS ME PROTEJA

DEUS ME PROTEJA
Pegando carona nos versos de Chico César...

Deus me proteja de mim
E do mal de gente boa
Do bem da pessoa ruim
Da obra do povo à toa
Deus me livre dos livrados
Do passado em meus passados
E dos santos orgulhosos
Deus me livre aqui e além
Do mal de fazer o bem
Pra inveja dos invejosos!
(Merlanio Maia)

VINDE OUTUBRO

VINDE OUTUBRO
MerlânioMaia

Outubro, meu mês medonho
Se apeie e pode chegar
Venha repleto de sonho
Entre sem se apresentar
Mês forte, seja bem vindo
Abra o calendário rindo
Pois eu hoje peço à "bença"
Traga aos tristes a alegria
E aos descrentes a magia
Da fé que transcende a crença

Meu outubro guardador
Aqui cheguei nos teus braços
Nasci no teu esplendor
Descendente dos espaços
Ainda era primavera
Quando acabei com a espera
Da minha mãe, doce Helena,
E Outubro nos fez bonança
Para mim és a esperança
De um sonho que vale a pena

Então chegue bem chegado
Que o teu Sol me encha de luz
Vinde mês abençoado
Teu poema me conduz
Pode até deitar na rede
Meter o pé na parede
E exalar o teu calor
Outubro de tanta glória,
De experiência e vitória
Outubro meu mês do amor!
(MerlânioMaia)

MINHA LEI ELEITORAL


MINHA LEI ELEITORAL
Merlânio Maia

Nesse tempo de eleição
O que tem de gente ruim
Abre-se o inferno e o cão
Candidata os “coisa-ruim”
Lá vem de mão estirada
Parece cego na estrada
Pedindo seus votos e os meus
Cada um diz ser melhor
Que seu preparo é maior
Beijando crentes e ateus

Bota menino no braço,
Emburaca na cozinha,
Come sobejo de ontem,
Chupa até pé de galinha,
Dá beijo em véia caduca,
Bebe água de cumbuca,
Reza com crente e devoto,
Limpa bunda de criança,
E corrompe na esperança
De conquistar mais um voto

Pois bem, que fique bem claro
Não reelejo safado
Se depender de meu voto
Político come apertado
Antes de votar pesquiso
Excluo o que for preciso
Os “mala” e a ruma de herdeiro
Bandido eu boto pra fora,
Profissional caipora
Vai baixar noutro terreiro!

Não voto nos nomes sujos,
Nem quem usa a religião,
Nem nos que esquecem do povo
Quando passa a eleição,
Parentesco na política
É uma herança triste e crítica
Não voto e ainda esclareço
Só voto em quem tem história
E eu tenho boa memória
Que o meu voto não tem preço!

Depois de pesquisar muito
Eu voto e fico de olho
Se ele pisar na bola
Coloque as barbas de molho
Que na próxima eleição
Eu o entregarei ao cão
Voto contra e meto o pau
Ou cumpre com o seu dever
Ou meu voto não vai ter
Eis minha lei eleitoral!
(MerlânioMaia)

POLÍTICA COM ELEIÇÃO

Uma dica limpa e pura
Em tempos de eleição
Nunca vote em quem mistura
Política com religião!
(MerlânioMaia)

A VOLTA DE PARAFUSO



A VOLTA DE PARAFUSO
Merlânio Maia
(Poema feito no dia da morte de Parafuso fundador dos Três do Nordeste, com muita saudade do amigo que seguia)

Parafuso deu um breque
Na batida do Forró
Quando escutou a sanfona
Naquele acorde de Dó
Era um convite primeiro
Chamando este zabumbeiro
Com seu talento inconteste
Pra formar com Zé Cacau,
Zé Pacheco o original
E único TRÊS DO NORDESTE!

Lá no Céu viu Gonzagão
No seu Baião peneirando,
Dominguinhos, Camarão
Junto a Marinês cantando
E até o Trio Nordestino
Fazia um coro divino
Nesta comemoração
A sanfona ria mole
E Arlindo no seu fole
Tocava um viva a São João

Mestre Jackson do Pandeiro
Com Sivuca sincopava
E entrou Jacinto Silva
Que na peleja encantava
Nessa hora também chegou
Este zabumbeiro-show
Trazido por São Beluzo
Zé Pacheco e Zé Cacau
Levantaram a um sinal
Pra receber Parafuso

Seu Januário contente,
João do Vale e Zé Gonzaga,
E Manezinho Araújo,
Com Patativa rimava,
Abdias, Gordurinha,
Pedro Sertanejo vinha
Com a sanfona de luz
E Seu Luiz conduzia
Sua linda Ave Maria
Que nosso Sertão traduz

São Pedro com Santo Antonio
A São João se chegaram
E vieram dar um abraço
No músico que convidaram
Da zabumba fez-se uso
E disseram: “Parafuso
Aqui ninguém fica só
E a música de raiz
Mostrou que o Céu é feliz
Na batida do Forró

Os santos de tão contentes
Dançavam com alegria
E o Forró era um presente
De música e de poesia
De Deus, o Senhor perfeito
Que fez Parafuso eleito
Quando no Céu foi incluso
E o poeta menestrel
Sonhou que estava no Céu
E registrou no papel
A volta de Parafuso!
#MerlanioPoeta